segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Ser mãe é estar 24hrs in love

Boa noite pessoas maravilhosas!

Sempre penso em vir aqui falar como é a experiência de ser mãe, porém nunca tenho tempo. E bem, isso faz parte desta tal experiência!
Queria muito escrever sobre algo, pois havia prometido para eu mesma que nesse ano eu ficaria mais ativa aqui.
Sobre ser mãe: bem, não é muito fácil, para ser bem sincera.
Eu não tenho mais uma rotina (apesar de querer seguir uma para acostumar o Arthur nos horários certos).
Eu meio que não tenho mais tanto tempo para cuidar de mim. É estressante. Me fez passar bons bocados no meu relacionamento. Exige atenção e responsabilidade em dobro do que criar um cachorro (eu disse em dobro? Muuuuuito mais do que isso!). Dentre outros detalhes, tipo não dormir direito, não comer direito, e as vezes não ter tempo de ir no banheiro (é, nem isso!). Mas quer saber?
Eu não seria mais feliz!
Ter um filho é aprender sobre coisas da vida que ninguém nunca te ensinou antes.
Ter um filho é conhecer o tão famoso e incondicional amor de mãe.
Ser mãe é estar 24hrs, literalmente, in love.
Eu poderia contar a história do parto, ou essas coisas, mas prefiro falar sobre a melhor parte. Desde a hora que o Arthur deitou no meu colo pela primeira vez, e eu pude sentir aquele cheiro enjoativo de tanto amor, eu sou uma pessoa completamente diferente, e eu agradeço a Deus por isso!


quinta-feira, 28 de maio de 2015

Sobre ser independente, quase mãe e universitária

Oi pessoas <3 div="">
Vim aqui rapidinho dar um breve desabafo sobre a minha vidinha corrida.

Tecnicamente, faltam três semanas para eu ver o rostinho do maior amor da minha vida. Ansiosa? Magina, miga!
Mas pra ser sincera, parece que as coisas não estão querendo dar certo. Uma por que nem o chá de fraldas eu fiz ainda. Sim, isso mesmo! To morrendo de medo de estar lá na festa e o Arthur querer aparecer para dar um oi kkkkk
Até agora está marcado para o dia 06, semana que vem, que será no mesmo dia do aniversário de uma das duas madrinhas dele, a Gabbe, dona do blog Talo de Maçã
Só que o salão onde combinei está de reforma e não sabem me dizer se até lá estará pronto T.T

Enquanto isso, ainda estou dormindo super pouco e com muito, mas muito pouco tempo mesmo! Acordando muito cedo para ir para o trabalho, e voltando muito muito tarde em casa. Pra vocês terem noção, não estou dormindo nem 5 horas por dia, e agora no estágio final da gravidez sinto imensas dores pelo corpo todo (sem contar a parte que me sinto mais do que horrível por estar completamente inchada!)

Fiz algumas fotos de gestante, e vou fazer mais algumas amanhã (esperando do fundo do coração que dê tempo haha). Prometo que quando tiver acesso à elas, vou postar algumas aqui :)

Eu bem que já poderia pedir minha licença para poder ter mais tempo para isso tudo, e principalmente, sentir menos dores. Mas quanto antes eu pedir licença, menos tempo ficarei com o meu filho quando ele nascer e realmente precisar de mim por perto. Daí eu estou tentando adiar até realmente não conseguir mais, ou até ele nascer.

Espero que o parto seja bem tranquilo, já que pretendo ter Humanizado, na água :)

Agora sobre ser universitária em meio de tudo isso... Pois é, já estou sem tempo, e agora tenho que correr contra ele para poder entregar os trabalhos de fim de semestre antes das datas pois a qualquer hora mesmo o Arthur pode nascer, e eu realmente não quero ficar sem nota. 

Espero que no fim sobre tempo pra tudo isso, mesmo que seja beeeem corrido. O importante é saber que tudo no final vai valer a pena, por ele <3 div="">

Ainda bem bem que tenho um marido lindo que faz tudo em casa e eu não preciso me preocupar simplesmente com nada. 

sábado, 2 de maio de 2015

Os detalhes que fazem (toda) a diferença

     Ah quem nunca teve medo que atire a primeira pedra!
     Ultimamente eu tenho tido TANTO medo que chega a ser bizarro a maneira como reajo a algumas situações.
     Dai a gente junta na vida, o trabalho a faculdade e a casa. Gente, sério, eu não sei mais o que é sair com os amigos, e muito menos o que é tomar uma!
     Maturidade?
     Pra ser sincera, em bem duvido. Mas divido! SZ
     A gente passa a tarde lendo artigos científicos (as vezes até se inspirando, por que vai que um dia você faça uma descoberta e puuuf, sua vida muda e você ganha um prêmio Nobel!). A gente olha para a janela do ônibus e começa a se questionar o que você fará no final de semana. Subitamente lembra que tem dois relatórios para entregar e já sabe o que irá fazer no final de semana.
     Engraçado por que eu falo "a gente" querendo se referir a mim, mas sei que muita gente queria, assim como eu, um dia para deitar, entrar na conta da netflix e assistir todos os episódios atrasados de sua série preferida (se você não for como eu, e tiver uma!).
     Saudade dos detalhes da vida menos complicada.
     Saudade dos valores invertidos outrora, que agora fazem sim toda a diferença.
     Mas sabem o que é importante? Jamais deixar isso morrer. Por que toda fase passa, e você vai ter que concordar, pode até estar ruim, mas você vai sentir saudades dos detalhes, por que eles fazem toda a diferença!
     No próximo post, vou procurar trazer algo de interessante por que desde que voltei com o blog não escrevi nada além de coisas minhas hihi.
     Um beijo no coração de vocês, e maneirem nas cachaças, eim?!

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Shippando o próprio relacionamento

Olá pessoas!
Sim!
Foi isso mesmo o que você leu no título!

     Comecei a pensar sobre uns assuntos que relacionam (pra variar) relacionamentos!
     Por que não shippar o nosso próprio relacionamento?
     Poxa, a gente torce tanto por outros casais. A gente torce tanto por casais que muitas vezes a gente nem conhece de verdade, mas que por serem famosos, a gente acaba tendo o conhecimento do relacionamento.
     Quem ai shippa a Angelina e o Brad, ou a Gisele e o Tom?
     Mas pera, a que ponto torcer por nossos próprios finais felizes tem haver com fazer o papel de palhaço?
     Gente, não confundam as coisas. Jamais! Torcer por vocês dois, não quer dizer que você tem que aceitar tudo numa boa e ser feita de boba como se desprezasse o seu amor próprio.
     Eu torço pela gente quando sinto aquela sensação boa, de deitar no peito dele e dormir durante uma tarde inteira do domingo, sentindo que aquele é definitivamente o meu lugar preferido no mundo todo.
     Eu torço por nós dois, quando a gente tem uma discussão e eu definitivamente não consigo dormir enquanto não fizermos as pazes e sentir os pés dele nos meus, me esquentando e me fazendo rir.
     Eu torço por nós dois toda vez que eu abro mão de um programa de domingo a noite para ficar assistindo Trato Feito no History Channel, e ficar xingando o Rick pelos preços absurdos que as vezes ele oferece (ah, aquele programa!! ♥♥♥).
     Eu torço por nós dois por infinitas coisas, e a cada coisa que conquistamos juntos.
     Até por que no final das contas, se prestarmos bem atenção, somos os protagonistas da nossa própria história, mas também os nossos maiores expectadores, então nada mais justo do que torcer para que haja de verdade aquela sua parte que se sente realizada.
    O mundo anda tão frio que amar chega a ser ridículo. Mas só quem descobre o amor e shippa o próprio relacionamento, sabe o que é se aventurar!

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Dingbats Brasília

     Bom dia seus lindos!

     Hoje, navegando por aqui, vi um post do site Grande Circular e achei interessante compartilhar aqui.

     Não nasci em Brasília, mas me considero daqui já que moro desde pequena e amo essa cidade demais. E como toda Brasiliense (ou Candanguense) que se preze, me atento a qualquer detalhe, cor e forma. Me atento às homenagens e ao grande leque de variedades artísticas que encontramos por aqui.
    Esse post me chamou atenção em particular, por que sou fanática por fontes. As vezes passo horas baixando fontes na internet, e muitas vezes, vejo que já tenho até cinco iguais!
    Só que essa, não é qualquer fonte. Acho que posso traduzir isso como a singularidade de Brasília em letras, para que possamos descreve-la em texto da maneira que ela merece ser descrita, em todos os detalhes, literalmente.
   
     Brasília é linda em todas as suas formas e contextos.
     O projeto que desenvolveu esta fonte foi o Projeto Retrato Brasília, que contou com o apoio do Banco do Brasil, do Correio Braziliense e do Centro Cultural Banco do Brasil. Para saber mais sobre isso, clica aqui, e aproveite para fazer o seu download da fonte e deixá-la guardada, além de claro, no seu computador, também no seu coração! ♥

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Como ...

Como o mar que leva para longe...
E que esconde sentimentos.


Como a águia que voa alto...
E leva consigo teus pensamentos.

Como fosseis não encontrados...
Submersos ao barro que molda tubo.

Como uma rosa que se fecha a noite...
E ao sol esbanje seu pólen.

Como um amor resguardado...
Que aflora para sentir o novo.

Como... Como... Como...
 

terça-feira, 21 de abril de 2015

Àquelas que merecem o nosso eterno agradecimento

Olá Alcoólicos!

Eu estou escrevendo este post para fazer uma dedicação às mães
Não. Não tem nada haver com o dia das mães que seria no mês que vem. Tem mais haver mesmo com o fato de ser mãe.
Não sou mãe (ainda. Mas daqui a dois meses, sim.), mas imagino a barra que uma mãe passa, por que já passo uma barra, e nem ouço choros ainda.
Eu estava lendo um post que falava sobre ser mãe solteira.
Eu não serei mãe solteira (a não ser que a vida deseje assim), mas a minha foi. E vou te falar que ela foi a mãe mais guerreira que já existiu na face da Terra. E esse hiperbolismo é sim por ser filha dela e achar que ela é a melhor!
Imagine você o que é sobreviver em uma capital, com dois filhos, sozinha, pagando aluguel, e recebendo um salário mínimo por mês! Detalhe, que teve uma época em que o sálario mínimo era R$350,00. Como ela conseguia? Não faço a mínima ideia. Mas tenho absoluta certeza que era apenas por amor.
Me veio uma lembrança pesada de uma discussão, em que eu respondi à ela de uma forma muito bruta e gritei a seguinte frase: "eu não pedi para nascer!". Lembrei disso e meu mundo simplesmente caiu. Liguei para ela e disse mil vezes que a amava com todas as minhas forças, e que ela era a mulher mais sensacional do mundo.
Fiquei sentida por ela.
Engoli mil secos.
Imagina o que é esperar alguém nascer tão ansiosa, sentir tantas dores, ter tanto cuidado, ensinar a amar e dar carinho, educar, ver crescer, alimentar, dar de morar, e ser mãe e pai ao mesmo tempo, e simplesmente receber em troca um "eu não pedi para nascer!".
Ser mãe é muito mais do que saber cuidar.
A minha mãe soube interpretar vários papeis, Se hoje eu tenho caráter, eu devo a ela. Ela que me ensinou o que era viver dignamente, mesmo com tão pouco, Ela que apesar de tudo, me ensinou a amar incondicionalmente, e espero que quando o Arthur nascer, eu também saiba traduzir esse amor para ele, e que ele entenda que a família é o pilastre mais importante na vida de alguém, mesmo quando você não tem seu pai presente (o que eu espero que não aconteça, até por que o meu bem ama o nosso filho tanto quanto eu.).
Tenham ótimas reflexões, e não deixem de dizer à mãe de vocês o quanto vocês a amam, e são gratos por tudo. Vale pra mães de sangue, avós, tias, madrastas... por que mãe é quem ensina a amar!

Beijos Alcoólicos 

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Só ele que é


Ele não é uma pessoa cordial assim que amanhece. Acorda de mal-humor, e raramente se detém a falar qualquer coisa.
Ele não é uma pessoa muito preocupada com o quanto irá gastar hoje, para não correr o risco de não ter dinheiro amanhã.
Ele não se importa com status, e evita sempre ao máximo sair falando de sua própria vida para quem não importa.
Ele não consegue se concentrar em duas coisas ao mesmo tempo, mas fica um charme quando tenta.
Ele não sabia que não se deve misturar pano de prato com pano de chão na máquina de lavar, mas agora deixa os panos mais brancos que a minha própria avó, se fosse ela quem fizesse.
Ele não é uma pessoa que gosta de sair distribuindo sorrisos por ai, mas quando sorri, tem uma irresistível capacidade de afetar e aquecer meus impulsos mais profundos.
Ele até pode não ser rico, mas faz de seu convívio a maior riqueza eu que poderia desejar possuir.
Ele não está preparado para ser pai, assim como eu, para ser mãe. Mas sei que a única coisa que ele não vai fazer melhor do que eu, é amamentar direto no peito.
Ele não perde tempo vendo videos com mais de dois minutos, mas insiste sempre em ver os mesmos filmes bestas e os mesmos episódios de Chaves, mesmo sabendo todas as falas de có.
Ele não sabe qual a minha cor preferida, mas sabe que colore a minha vida sempre que chego em casa e o encontro sorrindo para mim.
Ele não é o tipo de pessoa que você se da bem o tempo inteiro, porém, ele sempre vem depois, pega na tua mão, olha nos teus olhos e repete inúmeras vezes que te ama e que isso não vai mudar mesmo ele gostando de uva e você de manga.
Mas só ele que é a pessoa pra quem eu corro quando me sinto aflita.
Só ele que é o meu defensor de monstros à noite, e trocou seu lugar na cama perto da parede, apenas para que eu me sentisse segura.
Só ele quem dança melhor do que ninguém quando está bêbado, e me convida para dançar de uma forma doce e sensual.
Só ele quem deixa a casa sempre limpa e reclama quando eu bagunço pois ele sabe que ele quem irá limpar depois de novo.
Só ele quem sabe o que eu estou pensando, e tenta fazer o possível para me arrancar sorrisos.
Só ele tem a capacidade (e o direito) de me estressar de maneira compulsiva para depois me mimar e dizer o quanto eu fico linda com raiva (e o quanto eu sou apelona!).
Só ele que é o amor traduzido em pessoa.
Só ele que é o meu amor, traduzido nele.
Só ele que é o meu companheiro, e é com ele que quero passar o resto da minha vida.


domingo, 12 de abril de 2015

Configurando um conceito


     Depois de certo tempo desprendendo os conceitos da vida moral, a gente se da conta que o ponto de vista é, inquestionavelmente, intocável. Porém, a partir do momento que você  fere o outro com palavras e argumentos estúpidos, seu ponto de vista passa a não valer mais nada.
     Facebook é livre. O choro também é!
     Alcançamos um momento em nossas vidas onde estamos rodeados de questionamentos que se baseiam em: até onde vai o meu direito?
     Eu te digo até onde tenho direito amigo: quando o seu começa! A partir daí, temos que nos segurar e respeitar, querendo ou não, as nossas desavenças.
     Sonho com um mundo onde o respeito será a base de tudo. Onde o respeito será mais valioso do que a água ou o petróleo, e onde o meu filho possa crescer e dizer "eu tenho respeito. E respeito você por ser gay, lésbica, ou travesti. Respeito você por ser homem, mulher ou não ser uma orientação definida. Respeito você por ser velho ou novo. Respeito você por ser ateu ou religioso. respeito você por achar que devo ou não abortar. Respeito você por que, acima do que você vive, você é, assim como eu, um ser-humano, E eu espero grandiosamente que você me respeite em troca."
     Troca. Respeito é uma troca!
     Respeito quem quiser ler este texto e mesmo que não tenha concordado ou compreendido, me respeita também.

Beijos Alcoólicos.


terça-feira, 7 de abril de 2015

Resenha 50 Tons de Cinza: Se você for fã, não leia isso!

Genteney!

Faz quanto tempo que não piso aqui?
Um, dois séculos?
Nada de especial para falar!

Na verdade, vim fazer uma resenha assanhada (criticando muito) do filme 50 Tons de Cinza.


    ÉEEE!!! EU TAMBÉM ASSISTI!

    Nada como me deparar com uma situação, onde eu acho que o filme irá me surpreender, coisa que o livro não fez. Agradeço inclusive ao meu amigo Walters, por ter me dado aquele livro de aniversário no ano passado, pois isso me poupou dinheiro!
     Anastácia Steele é uma chata de galocha! Pra falar a verdade, depois que terminei aquele livro, com todas as decepções possíveis que pude, depois, ter a oportunidade de superar, não suportei o fato de a história ter sexo dos bons, e acabar com uma personagem principal estragando tudo por causa de sua personalidade tão... Bella Swan (só que multiplicado por 10!).
     Eu sei que muitos leitores (se é que alguém ainda acompanha este blog) vai ter visto em váaaaarios lugares essa comparação: 50 Tons de Cinza nada mais é do que um Crepúsculo com sexo Sadomasoquista.
     Mas é por que não tem para onde correr mesmo, sabe? É a única coisa que vem à mente para podermos comparar.
     Pois bem! Voltando ao filme. Antes de tudo, quero dizer que eu não assisti no cinema D: e consegui baixar ele em HD, só que, com legenda em japonês (muitos risos). Até aí, tudo bem, por que eu falo inglês e me viro quanto a legenda. O negócio é que parece que os cara cortaram algumas cenas NA CARA DURA!
     Mas só que, tudo bem até então! Já que, as cenas eram bem sensuais mesmo, e a trilha sonora do filme magnifica (acho que é uma das únicas coisas boas no filme. A outra é a cara de sexy do Jamie Dornan no filme inteiro!). Inclusive, devo confessar que a Dakota fez um EXCELENTE papel interpretando a sonsa.          Até por que cá pra nós: mete sonsera nisso viu?! Que personagenzinha mais nojentinha cheia de mimimi! (desculpa aos fãs, mas é isso!). (detalhe que o peito dela não é tão bonito assim u.u falo mermo!)
     Bem, um ponto que eu gostei no filme, é que ele não tem muita enrolação. O filme começa e com poucos minutos eles já se conhecem e o pessoal já saca qual é a parada que ta rolando ali. O Grey, meio Edward só que humano, e a Ana mais do que Bella só que mais retardada.
     Eu fico me perguntando o que leva a um cara, olhar para uma mina e pensar: "Nossa! Ela não tem qualidade nenhuma! Quero casar com essa gata já! Olha só isso! Ela só tropeça e não sabe nem ficar sozinha por um instante sem colocar a vida dela em perigo! MDS, é esse tipo de mulher que preciso na vida para sempre!..." (sendo sim exagerada, por que no fundo, mesmo que você discorde, sabe que é isso!)
     Daí, para atingir o ápice, em vez de querer beber o sangue dela o tempo todo, ele só pensa em bater nela o tempo todo. (e cá para nós, amigos leitores que me conhecem e sabem quem comigo não tem eira e nem beira, eu até curto uns tapas... mas tudo tem limites senhoritos! Não que eu queira criticar os fetiches de ninguém. Até por que fetiche é fetiche! Eu falo em relação a ela saber que ele é assim, querer que ele pare de ser assim, mas dar brecha para que ele seja assim com ela. No Compreendo!)
     Depois de dar tantas voltas, e as vezes até ficar chato, o filme acaba ainda na expectativa de que realmente algo extraordinário vai acontecer. Que o Christian vai revelar todos os seus segredos obscuros para a Ana e ela vai entender coisas como o fato de ela não poder nunca tocar nele, por exemplo.

     SÓ QUE ISSO NÃO ACONTECE. E ALÉM DE TER QUE ATURAR TODO O DRAMA, TEMOS QUE FICAR COM UMA ICOGNITA NA CABEÇA (que só vai entender, obviamente, quem leu a trilogia. E como eu não fiz isso, vou ficar aqui me perguntando o que virá a seguir, com raiva!).

Galeris, beijo no coração de vocês!
Tenho que vir aqui depois para contar um resumo do que aconteceu comigo nestes últimos meses em hiato. :*